Times ágeis: as cadências do kanban

Dentro do universo ágil não faltam frameworks para auxiliar na entrega mais rápida ao cliente final, com foco em aprender e errar rapidamente para poder corrigir o curso e ir na melhor direção.

O Kanban é um dos meus frameworks prediletos e possui uma gama de cerimônias chamadas de cadências que são muito úteis para gestão.

Não é necessário utilizar todas, eu mesmo indico fortemente quatro delas e que as demais sejam diluídas no dia a dia.

Aqui quero compartilhar um pouquinho sobre eles, a importância, o como acredito que seja a maneira perfeita de executar cada uma eu conto mais pra frente em outros artigos (sendo que um, sobre replenishment já está disponível no final deste artigo).

Daily Kanban: observar como está o trabalho (e não os trabalhadores, diferente do Scrum) diariamente, é importante que o time esteja alinhado quanto as metas da equipe, prazos e objetivos a serem atingidos, e diariamente reportem de forma clara e objetiva o que pode atrapalhar o plano. Impedimento devem ser sinalizados, mas tratados posteriormente.

Delivery planning: deve ser feita na periodicidade adequada a realidade do time, vai muito de acordo com o momento com o qual o backlog se renova, ou features são concluídas. É o acordo com time com a nova entrega, eles entendem as expectativas, prazos, como ela impactará o cliente, como ela foi criada, enfim, é o momento do time assumir o compromisso com aquela nova frente.

Operations Review: os indicadores do Kanban são revisados, lead time, cycle time, throughput entre outros são analisados e oportunidades de melhoria são aplicadas, um exemplo seria um grande gargalo de tempo entre a fase de desenvolvimento e a fase de testes, isso pode ocorrer devido à falta de mão de obra de testes ou a maneira como as histórias são criadas (criando barriga antes que possam ser testadas por exemplo), são análises que o time precisa fazer para evoluir sua produtividade de trabalho.

Replenishment: a periodicidade varia de time para time, sempre recomendo que seja semanal e não dure mais que uma hora, ela serve para reabastecer o time com itens a serem desenvolvidos até a próxima cerimônia de replenishment. É bom entender a capacidade que o time tem, o work in progress atual e o tamanho das próximas entregas para que o replenishment seja efetivo. Um bom replenishement fará com que o time tenha trabalho durante todo o período até a próxima entrega sem faltar ou sobrar nada, e sem transbordar nada para o próximo período.

Risk review: revisa os riscos da squad, não apenas relacionados ao projeto, mas também ao funcionamento do time, um exemplo é alguém que tenha um conhecimento muito específico sem nenhum backup, é o tipo de risco que merece ser levantado e mitigado, pode parecer preciosismo, mas quando perdemos uma pessoa assim no time entendemos a importância de ter levantado a bola antes.

Service Delivery-Review: saudável, porém pouco executada, ela auxilia a revisão do fluxo de trabalho a partir das métricas estabelecidas, nesta cerimônia entendemos melhor as nossas capacidades e calibramos a nossa esteira, redefinindo acordos, exemplo se durante 5 replenishment colocamos na esteira 20 histórias e apenas 10 foram concluídas, ou não avaliamos corretamente a nossa capacidade de entrega, gerando expectativas em quem acompanha o board kanban, ou houve algum problema na hora de gerar o backlog que não estava com seu DOR azeitado, ou ainda problemas com pessoas aprendendo ou saindo do time, seja qual for a análise o time não entrega 20 histórias em 5 semanas, mas sim 10, e deve calibrar sua esteira para as próximas 5 semanas e reavaliar sua capacidade.

Strategy Review: é o momento em que o time avalia seu atual momento comparado com o negócio. Aqui vale ressaltar a importância do alinhamento com a estratégia global da empresa, onde queremos chegar? Estamos no caminho certo? É o momento de colher outcomes e comparar com os objetivos definidos pra o time, na busca pelo ajuste de rota para atender as necessidades do cliente.

Essas são as 7 cerimônia do Kanban, para mim hiper relevantes e necessárias, mas como disse anteriormente 3 delas podem ser diluídas nas demais, na minha visão o risk review, service delivery-Review e o strategy review precisam ser inerentes ao dia a dia da squad, e permear todo o fluxo de trabalho, assim o time ganha tração e pode evoluir enquanto realiza as entregas.

Sobre Mim

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Paulistanos de família humilde, perdi meus pais cedo e lutei muito para chegar onde estou, e adianto que não é nem metade do caminho de onde vou chegar, já fui vendedor de algodão doce, dvd pirata (não me orgulho do produto, mas me possibilitou fazer faculdade), balas em semáforos e barzinhos, cozinhas, garçom, lan house, mercadinho até chegar no meu primeiro emprego em uma multinacional (Accenture te amo pela oportunidade).

Quero compartilhar de forma simples e didática o conhecimento que venho adquirindo no desenvolvimento de software e transformação digital no decorrer dos meus mais de 10 anos de carreira, tendo atuado em grandes projetos de TI na Vale, Claro, Net, Comgás, Kroton, Rede, Cielo, Safra, Santander, Mapfre e na minha empresa do coração (e atual) Itaú.

Se curtiu esse texto, talvez vá curtir esses aqui:

Times ágeis: evoluir do modelo empurrado para o puxado

O Replenishment Perfeito no Kanban!

Principais métricas do Kanban

Erros comuns do Scrum Master

Erros comuns do Product Owner

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo